07 dezembro 2009

Real sentido de “As Demais coisas vos serão acrescentadas” Parte I

Estava eu pensando nos ensinamentos que tive, nos livros que leio, e principalmente no que as pessoas ao meu redor pensam e acreditam. Uma parte que chamou minha atenção foi justamente Mateus 6.33

“Mas buscai primeiro o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mateus 6.33”

Olhando para este versículo, muitas coisas vêm à cabeça, e é justamente aí que alguns confundem o real sentido da coisa. Já observei alguns pastores pregando sobre MAteus 6.33. Já ouvi ministros de louvor falando desse verso, vejo também alguns irmãos falando justamente sobre isto, e pior, usando isso como muleta para muitas coisas, inclusive usando isto para culpar Deus de terem fracassado em algo.

O que muitas pessoas fazem, de forma errônea, é pegar apenas este versículo e tirar suas próprias conclusões, esquecendo-se de analisar todo o contexto que a palavra envolve; isso acaba dando um sentido distorcido ao que a palavra realmente quer dizer. Ao analisarmos este versículo individualmente, temos a sensação de que não teremos mais problemas ao buscarmos o reino de Deus, temos a sensação de que basta frequentar os cultos e orar que os problemas se resolvam e tudo o que você almeja seja realizado. Atualmente, as pessoas lêem este versículo e mentalizam Deus como um “genio da lâmpada mágica”, onde basta fazer o pedido e o mesmo será realizado, mas definitivamente não são assim que as coisas funcionam. Para se ter uma idéia mais ampla da situação, vamos pegar os dois versículos acima, os versos 31 e 32:

“Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que havemos de beber? ou: Com que nos havemos de vestir?
(Pois a todas estas coisas os gentios procuram.) Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso.” Mateus 6.31, 32

Ao lermos os versos 31 e 32, nota-se que o 33 não diz “todas as coisas” no sentido de “tudo quanto é coisa”, Nota-se que o 33 é um complemento do 32, dizendo “todas as coisas” referentes ao que foi citado (vestes, comida e bebida).  se lermos ainda os versos anteriores, veremos que nem tampouco o “todas as coisas” se refere a luxúria:

“E pelo que haveis de vestir, por que andais ansiosos? Olhai para os lírios do campo, como crescem; não trabalham nem fiam;
contudo vos digo que nem mesmo
Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles.
Pois, se
Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé?” Mateus 6.28-30

Percebe que se lê “nem mesmo Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles.” Isso mostra claramente que Deus não está olhando para a marca da sua roupa, pois até onde sei, os lírios não possuem grife :D

Para finalizar esta pequena parte da palavra que deixo, coloco abaixo Mateus 6.25, que expressamente diz o que Deus enfatiza ao dizer “todas as coisas vos serão acrescentadas”.

“Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário? Mateus 6:25

Graça e Paz a todos.
Diego Duarte

5 comentários:

  1. Nossa muito bom! Que Deus lhe abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto, porém vou fazer uma pequena contribuição, ao ler o texto com atenção é possível ver que em momento algum o texto diz "todas as demais coisas vos serão acrescentadas" o que o texto diz é "todas ESTAS coisas vos serão acrescentadas" ESTAS é artigo definido, diferente de AS DEMAIS artigo indefinido, isso reforça ainda mais a importância do contexto pois ao dizer ESTAS artigo definido fica claro que Jesus está se referindo ao que fora exposto nos versos anteriores.
    Paz de Cristo, vamos prestar atenção aos detalhes.

    ResponderExcluir
  3. Esse ensinamento ao qual o irmão alude é realmente muito profundo. Compreendê-lo de fato, ou seja, vivenciá-lo, requer um tipo de fé que não é comum em nossos tempos. Como ele apontou, sem dúvida, não se trata de uma indicação de que Deus há de cuidar de tudo por nós, tendo por moeda de troca nossas orações ou nosso amor por Ele. Deus, o Absoluto, não precisa de absolutamente nada, muito menos de migalhas de nossa atenção e afeto. Isso é incontestável, me parece.
    O que o mencionado versículo aponta é, em verdade, uma das mais sutis e perfeitas orientações espirituais. Essa orientação, ao contrário do que pensam muitos cristãos (aqueles que acreditam terem em sua tradição o único caminho para a Verdade e a Vida), está também indicada nos cultos de diversos povos, em diversos lugares do mundo, em muitas de suas tradições mais antigas. Para vivenciar o que Mt 33 assegura, você precisa confiar na Natureza, ou seja, no Espírito Santo, n’Aquilo que os cabalistas judeus chama de Binah (vide a Árvore da Vida da Cabala). É como diz o santo jamaicano Mooji: “você precisa confiar na Natureza. Mas também se não confia, não finja que confia”. Ou pode se dar mal.
    A questão mais importante é a seguinte: quem é esse que deseja se beneficiar do amor divino? Quem é esse que quer parar de sofrer, que deseja viver em paz com seus semelhantes, em comunhão com Deus? Em outras palavras: quem é você? Tudo parte dessa pergunta, meus irmãos queridos, e é necessário não só fazê-la sinceramente, mas buscar ardentemente encontrar a resposta. Você não é uma criatura imperfeita, não é um pecador, não é mortal, não é o filho de seus pais. Você não é seus medos, seus desejos, suas pequenas ambições, não é seus pensamentos, seu corpo ou suas alegrias. Nada que você diga sobre você é verdade. Acredite: você, na mais profunda essência, não é compreensível ou abarcável. Quem é você, então?
    Quando você descobre quem de fato é, passa a entender que não precisa de nada, que não requer nada e que, no testemunho de seu silêncio eterno, você é perfeito. Você descobre que, entre você e a totalidade do Universo, não há diferença alguma – trata-se apenas de um erro de perspectiva. Com isso, os desejos egoístas perdem seu fundamento, suas base, e advém a mais pura liberdade de existir. Assim, sem querer nada para si, a Natureza, o Espírito Santo de Deus, pode agir com igual liberdade e, desse modo, “todas as coisas lhe serão acrescentadas”. Como as árvores, que recebem a chuva sem pedir. Como os peixes, que apenas seguem o fluxo da água. Como os vermes, que cavoucam a terra e respiram pela pele. Como os lírios do campo. Tudo É.
    Espero que essas humildes palavras possam beneficiar os que a lerem. Paz.

    ResponderExcluir
  4. Amigo, o título está errado, "as demais coisas" não existe nas palavras de Jesus. A Paz!

    ResponderExcluir
  5. O meu caro. A intensão é manter o título "errado", pode reparar que durante o texto abordamos o sentido todo. Realmente a bíblia diz "Todas estas coisas". Deixei o título propositalmente.

    Abraço

    ResponderExcluir