07 maio 2009

Você é o melhor crente que conheço

Uma mãe tivera dois filhos, gêmeos, ambos criados em berço evangélico, desde pequenos já participavam de ministérios em sua igreja, e mantiam-se retos na palavra de Deus.

Quando cresceram, os jovens gêmeos começaram a cursar um nível superior, cursos diferentes, mas numa mesma universidade. Um dos gêmeos continuou fiel a sua religião e a Deus, não se deixava contaminar, permanecia reto, já o outro, não abandonou a igreja, nem os ministérios, mas vez ou outra ia com os amigos a um bar próximo a faculdade e tomava uma ou outras com seus amigos, experimentou cigarro e diversos tipos de bebidas, aos seus próprios olhos, tinha se tornado um crente liberal, “mente aberta”.

Com o passar do tempo o novo “crente liberal”, tornou-se popular, fez muitas amizades, e até com algumas garotas acabou se envolvendo, o outro irmão continuou no anonimato, e o chegavam até a confundi-lo com seu irmão, mas assim que percebiam o erro, afastavam-se dele, e sua popularidade não passa disto.

A fama e a popularidade logo se espalharam e alguns de seus amigos sempre lhe falavam: “Você é o melhor crente que conheço!”, ou ainda: “Você é o crente mais bacana que já vi!”. Alguns de seus amigos até comentavam que se virassem crentes algum dia, seria como essa crente "mente aberta”.

O tempo passou, e os irmãos continuaram desta maneira, ambos continuaram em sua igreja, mas um sendo liberal com suas bebedeiras, e o outro manteve reto.

Certo dia, já no penúltimo ano de curso, ele voltava com seus amigos de um bar próximo à faculdade, e eis que um caminhão se perde, e atropela três jovens na calçada, entre os três jovens, morre o tão famoso “melhor crente que todos conheciam” e mais um amigo, o outro fica gravemente ferido, e paraplégico por ter sido prensado pelo caminhão.

Nenhum dos amigos que ficaram na faculdade, nem tão pouco o amigo que ficara numa cadeira de rodas visitou alguma igreja algum dia a fim de conhecer a Deus, nem tão pouco seguiram qualquer religião, Jesus continuou sendo anônimo para todos ali.

 

Para quem você tem sido um bom crente? Para Deus ou para o diabo?

Diego Duarte

Nenhum comentário:

Postar um comentário